Blog

Como fazer a instalação elétrica residencial em 3 passos?

É um noite tranquila como qualquer outra, você chega do trabalho e já planeja o que fazer para aliviar o cansaço: tomar um banho quente, colocar o celular para carregar, fazer uma pipoca no microondas e assistir a um bom filme. Mas e se nada disso fosse possível?

Item essencial no planejamento de uma residência, a parte elétrica deve atender todas as demandas de quem vai ocupá-la. A quantidade de tomadas, interruptores e demais fatores necessários para que as atividades no nosso cotidiano sejam possíveis, estão dentro do planejamento de uma eficiente instalação elétrica residencial.

Continue lendo e confira como ir do projeto à execução de uma instalação elétrica residencial de acordo com as normas vigentes.

A primeira etapa: O projeto

O planejamento e projeto é o primeiro passo para uma instalação elétrica residencial eficiente. Por meio desta etapa, será possível elaborar o diagrama elétrico (ou planta descritiva), importante documento para que qualquer eletricista consiga realizar a instalação da forma idealizada.

Durante a elaboração do projeto elétrico devem ser definidos, indicados e documentados pontos para alocação de tomadas, iluminação, interruptores, circuitos, dispositivos de proteção, bem como a posição do quadro de distribuição. Tudo isso é feito com base nas necessidades do(s) moradore(s) da residência e quais tipos de equipamentos serão utilizados, seguindo a Norma NBR-5410, focada em instalações de baixa tensão.

É ideal que se tenha em mente o tipo de uso que cada cômodo da residência terá para evitar problemas como insuficiência de tomadas ou baixa potência, por exemplo.

O projeto da instalação elétrica residencial deve ser acessível e objetivar segurança, economia e eficiência no funcionamento.

Após diversos estudos e cálculos para definir fatores como potência, estabelecer posições de itens elétricos importantes para uso dos moradores, documenta-se todas estas informações para que se inicie a aquisição dos equipamentos e a instalação.

Componentes da instalação elétrica residencial

Uma instalação elétrica é definida como um conjunto de componentes elétricos destinados à utilização da energia elétrica. Alguns destes componentes são:

  • Quadro de distribuição: É o “coração” de toda a instalação. Responsável por abrigar todos os dispositivos contra curtos-circuitos, choques, sobretensões e sobrecargas. No quadro também está toda a fiação e cabos que vão ser direcionados aos pontos de iluminação, tomadas, etc.
  • Disjuntores: Item responsável por permitir que todos os equipamentos eletroeletrônicos da residência funcionem devidamente. Visando evitar que possíveis sobrecargas danifiquem algo, é importante que hajam disjuntores instalados no interior dos quadros elétricos. Nestes casos, eles são desligados automaticamente até o conserto.
  • Benjamins e extensões: Parecem ser itens simples por estarem disponíveis facilmente em mercados, porém, se mal utilizados, podem causar de desperdícios de energia à riscos de incêndio. Deve se levar em consideração e respeitar fatores como sua capacidade máxima em relação à soma das potências dos equipamentos conectados.

Além disso, retornando ao projeto da instalação, é importante ter um número satisfatório de tomadas por cômodo e moradores, justamente para evitar o uso desses equipamento como solução definitiva de ausência de tomadas.

  • Dispositivo Diferencial Residual (DR): Tem como função a proteção contra efeitos resultantes de choques elétricos. O DR atua desligando automaticamente a distribuição de energia caso a corrente de fuga se eleve. Em caso de ausência deste dispositivo, choques elétricos de longa duração podem ser fatais, mesmo que haja Fio Terra.
  • Dispositivo Protetor de Surto (DPS): São utilizados para detectar sobretensões transitórias na rede elétrica e desviar as correntes de surto para o sistema de aterramento, antes que atinjam os equipamentos da residência e evitando danos. Surtos elétricos podem causar grandes prejuízos como degradação de componentes, diminuição de vida útil e até queima instantânea de equipamentos eletroeletrônicos.
  • Condutores: Onde se localiza a fiação responsável por conduzir corrente na instalação elétrica. Este componente exige uma fabricação que siga estritamente as normas técnicas, como características anti-chama, por exemplo. Condutores podem receber quatro nomes diferentes, sendo estes: neutro, fase, retorno ou terra. O neutro é utilizado quando não se apresenta tensão.
  • Fio Terra: É um tipo de condutor. Conduz parcial ou totalmente a corrente elétrica evitando que haja um choque de grande intensidade no corpo humano. Sua instalação é obrigatória em pontos como tomadas, iluminação e locais onde se encontrem eletroeletrônicos nas instalações elétricas residenciais.

Chega a hora da instalação!

Mapeamento

Conforme já foi citado aqui, a primeira etapa refere-se ao levantamento de informações sobre a residência para estudo e documentação do planejamento da instalação. Uma planta baixa da residência é essencial para mapear o perímetro dos cômodos visando definir cargas para cada tomada.

Locais como cozinha, área de serviço, banheiro e quartos possuem distribuições diferentes de itens, usos e necessidades específicas. A partir desses levantamentos é possível prever também itens como bitolas dos condutores e eletrodutos.

Cada coisa em seu lugar

É necessário que, a partir do perímetro e da área da residência, se determine o número de itens como lâmpadas, interruptores e tomadas para separar os circuitos. Cada circuito deve estar com a carga semelhante, equilibrando com os demais. Lembrando sempre das demandas da residência e da quantidade de equipamentos eletroeletrônicos utilizados em média.

Segundo a Norma NBR-5410, os circuitos aqui devem ser divididos em categorias como circuitos de iluminação, tomadas de uso específico (TUE) e geral (TUG). Além disso, segundo a norma, na distribuição destes itens deve-se considerar alguns valores mínimos de carga de acordo com o tamanho da área. É essencial a consulta da NBR-5410 nesta etapa.

Após esta definição, poderão ser traçados eletrodutos que passam por tetos e paredes, se conectando às tomadas, iluminação geral e interruptores. Cada componente se interliga ao determinado circuito e, em seguida, ao quadro de distribuição.

Lembrando que…

É essencial atenção para não haver sobreposição de eletrodutos na instalação e para evitar acúmulo de condutores e possível sobreaquecimento. Seguir o planejamento feito previamente por profissionais em consonância com as necessidades e demandas dos moradores da residência é um passo importante para o sucesso da instalação.

Todas as etapas envolvidas aqui devem ser acompanhadas por profissionais autorizados e capacitados. Deve-se estar atento, também, ao uso de ferramentas adequadas durante a instalação, além de certificar-se de desligar o disjuntor do medidor e energizar o circuito novamente somente após conferir se toda a instalação foi feita corretamente.

Além disso, as normas técnicas que regulamentam as instalações são o norte para uma instalação elétrica de segurança, sigam-nas!

Quer saber como escolher os melhores equipamentos para sua obra? Baixe agora nosso eBook e otimize o investimento no seu empreendimento!

Posts relacionados