O que esperar do mercado de construção civil em 2019?

O que esperar do mercado de construção civil em 2019?

Após quase quatro anos de recessão econômica, o ano de 2019 traz consigo a esperança de uma nova era para o mercado brasileiro de construção civil, um dos setores mais prósperos e importantes para o desenvolvimento do país.

Toda essa expectativa deve-se ao fato de que a área foi uma das que mais sentiram o peso da crise econômica brasileira ocorrida entre 2014 e 2017. Foram meses difíceis para os empresários e trabalhadores da área, que sentiram as penalidades do clima instável do país, como obras paralisadas e grande número de trabalhadores demitidos.

2019 é o ano de um novo governo federal e a expectativa de grandes investimentos na área econômica possibilitada pela reforma tributária, uma das promessas da nova gestão. Com todas essas iniciativas, a confiança dos empresários do ramo de construção civil segue fortalecida. Dessa forma, amplia as possibilidades de investimentos em diversas áreas relacionadas, movimentando a economia do país.

Entenda agora as projeções para o mercado de construção civil em 2019 e o que as empresas podem fazer para traçar o seu panorama de investimentos para o setor a longo prazo.

2010: “a época de ouro” do mercado de construção civil no Brasil

Foi em 2010 que o setor imobiliário e construção civil viram seus números aumentaram expressivamente. Na época, havia uma alta procura pela compra de casas e apartamentos graças ao programa do governo federal Minha Casa Minha Vida, criado em 2009, que facilitou o acesso à casa própria para pessoas cuja renda mensal é de até R$ 7.000 reais, com subsídio permitido para quem possui renda de até R$ 1.800 reais.

Mas em 2015 a crise econômica se instaurou no Brasil, gerando um efeito cascata em diversos segmentos da economia. Mesmo com o sucesso da Copa do Mundo no Brasil e os inúmeros investimentos feitos na construção civil, essas ações não foram o suficiente para reestruturar o país em meio a instabilidade econômica, que foi acentuada pelo clima de incerteza política da época.

O setor de construção civil foi um dos que mais sofreram as consequência da crise: demissões em massa foram feitas pelas construtoras. Isso resultou em obras paralisadas por tempo indeterminado, além das imobiliárias e lojas de materiais de construção que amargaram declínio nas vendas devido a diminuição do poder de compra dos brasileiros, resultado dos altos índices de desemprego.

Felizmente, no segundo semestre de 2017, a economia brasileira começou a dar sinais de estabilidade, e em 2018, muitas regiões já sentiram o aumento na procura de imóveis, principalmente no segundo semestre, assim como cresceu o número de lançamentos de novos empreendimentos.

Essa mudança refletiu-se também no aumento das taxas do financiamento imobiliário da Caixa Econômica Federal, que passou de 70% para 80%, firmando-se líder no setor. A expectativa é que facilidade do acesso ao crédito permaneça no ano de 2019.

2019: o ano da retomada do mercado de construção civil no Brasil

O setor industrial corresponde a 32% do PIB nacional, o que significa dizer que a expectativa do empresariado com o projeto econômico do novo governo para a indústria brasileira são bastante altas, para dar continuidade ao desenvolvimento do país, como maior geração de empregos, reforma tributária e desburocratização das operações. Segundo o Banco Central do Brasil, em 2019, é esperado o crescimento de 2,90%.

Para 2019, as projeções para o mercado de construção civil são bastante otimistas, sobretudo por parte dos empresários do ramo devido ao fortalecimento político no país e a promessa de um diálogo mais direto com os empresários industriais, como foi confirmado no planejamento econômico do novo Ministro da Economia, Paulo Guedes.

Para a construção civil, é esperada a retomada das mais de 3.000 obras paralisadas, o que gera oportunidades de empregos para os milhares de profissionais da área, e aumento no número de lançamentos no mercado imobiliário.

Além disso, é esperado um crescimento expressivo no setor de serviços relacionados a construção civil. A Associação das Indústrias de Material de Construção (Abramat) prevê aumento de 1,5% nas vendas de insumos, como cimento e tijolo, enquanto que na aquisição de maquinário para construção civil, é estimado aumento de 40%.

Outro forte investimento para 2019 na construção civil serão os chamados imóveis de nicho, no caso, as residências e apartamentos para abrigar novas famílias. Com a queda na taxa de juros e aumento do crédito imobiliário, o novo ano trará a oportunidade de várias pessoas realizarem o sonho da casa própria.

Segundo os empresários, a grande virada no setor de construção civil deve acontecer no segundo semestre após a resolução dos primeiros 100 dias de governo Jair Bolsonaro, a fim de analisar de que forma os investimentos e promessas previstas pelo Governo Federal naquele período foram direcionados, e se houve melhora significativa do ponto de vista da indústria de construção civil.

Dessa forma, a tendência é a de que, para os próximos meses, as construtoras e gestores consigam se planejar para o lançamento dos novos empreendimentos nos próximos meses, bem como os investimentos no setor público, baseando-se na resposta da população brasileira quanto à retomada do seu poder de compra e confiança na esfera pública e econômica brasileira.

Como vimos, 2019 deve ser o ano de ótimas oportunidades para o mercado de construção civil. Além da aposta de novos lançamentos, é também esperado retomada e abertura de novos canteiros de obras no país.

E para que o setor continue prosperando e a construtora ganhe destaque no mercado, é preciso de um bom time de colaboradores preparados para executar todas as atividades relativas à obra de maneira eficiente e produtiva.

Para saber como fazer isso, leia agora nosso artigo especial sobre como formar uma boa equipe na construção civil!

 

Compartilhar este post

Fique por dentro das nossas novidades. Assine nossa newsletter.