Blog

Orçamento para obras: como fazer um ideal para você?

Colocar na ponta do lápis todos os gastos que fazemos ao longo do mês é uma das estratégias mais utilizadas para àqueles que estão querendo economizar e entender como seu dinheiro está sendo gasto. Esta ação é semelhante ao orçamento para obras, etapa fundamental na construção civil para identificar como serão aplicados o capital estimado no início em cada fase da obra.

Além disso, o documento onde constam todos esses cálculos também serve para que, tanto o proprietário da construção como a empreiteira, tenham maior noção e controle do que está sendo feito e, consequentemente, gasto durante a execução da construção. Seguindo o orçamento à risca, a obra tem maiores chances de ser finalizada dentro do prazo estabelecido.

Hoje, você vai entender a importância de se fazer um orçamento para obras e os principais pontos que devem ser analisados. Em seguida, iremos mostrar um passo a passo detalhado do que precisa ser listado neste documento.

O que você precisa saber para fazer o orçamento da sua obra?

Na economia doméstica, quando não planejamos um orçamento correto para os gastos diários e mensais, os riscos de não sobrar dinheiro o suficiente ao fim do mês são bastante altos.

Nesse contexto, trazendo para o mercado da construção civil, quando a construtora aceita um novo projeto, o orçamentista – engenheiro responsável pela obra ou analista técnico – precisa elaborar, em conjunto com o cliente, uma boa estratégia para evitar gastos desnecessários no decorrer da obra e prevenir atrasos na conclusão do serviços.

No documento de orçamento para obras, são definidos, além do valor total estimado, como o montante será distribuído em cada fase da obra, desde a criação do projeto até a entrega do empreendimento. No entanto, é preciso entender a diferença entre orçamento e orçamentação: enquanto na orçamentação é indicado os custos totais da obra após concluída, o orçamento é o resultado final, ou seja, a somatória destes custos.

Em exemplo prático, vamos imaginar que uma construtora tem o projeto de construir um condomínio de 10 casas em um bairro popular.

No orçamento para este tipo de obra, devem ser contabilizados e/ou estimados:

    • quantos quilos de insumos (areia, cimento e tijolos) precisarão ser comprados para levantar a estrutura de cada casa;
    • quantas pessoas irão trabalhar no projeto;
    • se serão contratados serviços de empresas terceirizadas;
    • o valor do imposto e licença cobrados pelo órgão público responsável;
    • a quantidade de tomadas instaladas em cada casa, e assim por diante.

Ou seja, cada mínimo detalhe deve estar obrigatoriamente descrito no orçamento.

Antes de adotar um modelo específico de orçamento, o documento precisa atender a questões importantes, como:

  • Atributo de exclusividade: o orçamento precisa estar alinhado com as características da obra;
  • Poder de representação: aqui, serão descritos os pré-requisitos, riscos e responsabilidades da construção. Essa questão indica que o orçamento reflete as decisões dos responsáveis pela obra;
  • Atributo da valoração estimada: é preciso levar em consideração os eventuais imprevistos e atrasos que podem ocorrer durante o período estimado;
  • Atributo da validade atemporal: durante a elaboração do orçamento, o orçamentista precisa estar atualizado quanto às mudanças recorrentes no mercado de construção civil, como por exemplo, aumento ou diminuição dos preços dos materiais e as novas ferramentas tecnológicas utilizadas para otimizar a produção.

Veja agora como são divididos o cálculos dos custos no orçamento de uma obra:

Estimativa de custos

Nesta parte, são colocadas uma avaliação aproximada do custo total da edificação baseada nos projetos anteriores executados pela construtora considerando a região que será construída. Aqui, o cliente e a empresa terão uma ideia mais ampla do quanto será gasto ao final. Lembrando que esta análise não garante com exatidão que o valor aqui apresentado será, de fato, suficiente para complementar a obra.

O Custo Unitário Básico (CUB) é uma unidade de medida de propriedade do SINDUSCON de cada estado brasileiro onde, mensalmente, apresentam o valor por metro quadrado das cidades e capitais através dos resultados obtidos pelas construtoras em atividade. O CUB analisa o tipo de construção (residencial, comercial); número de pavimentos; número de quartos e padrão de acabamento (alto, normal ou baixo).

Orçamento preliminar

Nesta categoria serão definidos os custos mais detalhados de cada fase do projeto, como por exemplo, quantidade de tijolos, blocos de concreto, madeira, cabos de aço, e valor da mão de obra necessária para executar determinado tipo de trabalho.

Orçamento analítico

Aqui serão colocados os custos envolvidos na obra de maneira ainda mais precisa, como o valor aplicado em cada serviço executado, a mão de obra utilizada e o número de equipamentos e outros materiais.  Dentro do orçamento analítico, o responsável pelo documento também deve exemplificar os custos diretos (materiais de construção, revestimentos, louças e mão de obra) e indiretos (lucro, escritório de atendimento, despesas administrativas, máquinas e ferramentas, seguro, consumo de água e energia elétrica, pagamento dos serviços terceirizados, entre outros).

Ainda no orçamento analítico, os gastos totais com insumos nos serviços em cada fase da obra são apresentados pela ferramenta de Composição de Custos. Serão indicados os custos unitários e totais e as quantidades utilizadas dos materiais, como por exemplo, o volume total de tijolos e argamassa utilizado por m².

Passo a passo de como elaborar um orçamento para obras eficiente!

Analise cuidadosamente todos os detalhes do projeto em questão

O orçamentista precisa ter acesso aos desenhos feitos da planta da obra, alinhado com as especificações técnicas tanto da construtora quanto do cliente. Geralmente, nesta fase já podem ser exemplificados quais serão os materiais utilizados na construção e os custos de cada serviço, como preços dos materiais e da mão de obra, através da Composição de Preços Unitários (CPU).

Calcule todos os custos diretos e indiretos

Nesta etapa, é feita uma avaliação por metro quadrado de toda a área reservada para a construção do projeto, onde o resultado será aplicado no momento de enumerar os custos diretos e indiretos. Cabe ao orçamentista ter atenção redobrada ao elencar todos estes gastos.

Curva ABC

Aqui serão indicados quais são os serviços ou insumos em ordem decrescente de custos, e serve para identificar quais deles pesam mais no orçamento da obra e priorizar o que é, de fato, mais importante à medida que a construção evolui.

Inclua a somatória referente à impostos e taxas associadas

Com os resultados dos custos em mãos, o orçamentista pode agora adicionar valores referentes à licenciamento e impostos sob encargos sociais definidos pelos órgãos responsáveis.

Inclua a porcentagem aproximada de lucro

Após calcular detalhadamente todos os valores do projeto, é possível calcular o lucro esperado. Para chegar a este resultado, basta somar os custos diretos e indiretos com CBU, multiplicado pela área total construída. Neste momento, também é importante considerar o mercado de construção civil e a valorização da região onde foi erguida a construção.

Cálculo do BDI

O percentual de Bonificação e Despesas Indiretas (BDI) é resultante da soma de todos os elementos descritos acima. A fórmula para calcular o BDI varia de acordo com o tipo da obra construída, portanto, é preferível consultar o orçamentista para que ele indique o método mais adequado.

Preço de venda

Para saber qual seria o preço esperado de venda, a fórmula mais utilizada é a seguinte:

Custo Direto (CD) x (1 + BDI /100)

Além do cálculo, outro fator que determina o preço da venda é o VGV (Valor Geral de Vendas).  O VGV é obtido através da soma do valor potencial de venda de todas as unidades do empreendimento em questão, indicando a viabilidade do projeto segundo as diretrizes do mercado imobiliário atual.

Fazer o orçamento para obras perfeito requer dedicação e atenção redobrada para que nenhum detalhe referente ao projeto fique de fora. Um dos elementos importantes e que merecem destaque na definição do orçamento é a escolha dos equipamentos para construção civil. Existem no mercado diversos tipos e modelos de cada categoria e para cada serviço específico.

Antes de adquirir as ferramentas necessárias para a execução do projeto previstos no orçamento, é preciso fazer algumas pesquisas e observar se aquele modelo pretendido vai, de fato, corresponder às expectativas. Para te ajudar nesse processo, leia este artigo sobre como escolher equipamentos para construção civil de forma eficiente.

 

Posts relacionados