Blog

Bim: saiba o que é e para que serve!

BIM, bim, Building Information Model, ou Modelagem de Informações da Construção (em tradução livre): você, provavelmente, já se deparou com esses termos em contextos ligados à engenharia, arquitetura e construção.

Chegou a perceber a importância do BIM para a construção civil? Se não, vamos, juntos, entender um pouco mais sobre esse conceito inovador para a modelagem no setor.

BIM, Bim, bim: vamos entender o que é isso

 

É importante não cometer o erro de pensar que BIM é, simplesmente, uma ferramenta mais sofisticada do que o AutoCad para confeccionar modelos de projeto. Na verdade, a transição da prancheta para os modelos bidimensionais dos softwares de desenho assistido por computador (CAD) representou um grande avanço na área. Essas ferramentas continuam a ter importância.

Só que, agora, temos o conceito BIM, que vai muito além de um simples modelo 3D. Ele é uma representação digital inteligente do projeto, rica em dados que podem ser usados e alimentados por todos os participantes, como base para tomadas de decisões. É um modelo que permite visualizar, digitalmente, todas as características e funcionalidades do edifício, com informações aprofundadas sobre todo o seu ciclo de vida.

Charles Eastman, professor emérito do Instituto de Tecnologia da Geórgia (EUA) e pesquisador da área, amplia o conceito BIM, ao defini-lo como uma filosofia de trabalho:

“BIM é uma filosofia de trabalho que integra arquitetos, engenheiros e construtores na elaboração de um modelo virtual preciso, que gera uma base de dados que contém tanto informações topológicas como os subsídios necessários para o orçamento, o cálculo energético e a previsão de insumos e ações, em todas as fases da construção”.

 

As camadas na modelagem BIM

O modelo inclui cinco camadas ou ciclos. Cada uma delas agrega novas informações para o aperfeiçoamento do projeto:

3D – Prototipagem: desenvolvimento do primeiro modelo.

4D – Inclusão do planejamento: alinhamento do protótipo virtual com o cronograma de obras.

5D – Alinhamento de protótipo, cronograma e orçamento: nesta camada, são incluídos os softwares de gestão de orçamento.

6D – Inclusão de instrumental para diagnóstico: aqui, entram as ferramentas para análise de desempenho energético, sustentabilidade e outras.

7D – Protótipo, cronograma, orçamento, diagnóstico + manutenção: nesta camada, são incluídas todas as informações necessárias para manutenção da obra pronta.

 

Quer exemplos do que o BIM proporciona?

Pense no BIM como a construção virtual, antes de sua existência real. Ele é como uma maquete digital, que permite simulações e análises para prever o comportamento do edifício, desde a fase da construção até a fase operacional.

O BIM agrega arquitetos, engenheiros, gestores, construtores, compradores e todos os participantes do empreendimento, que podem interagir e colaborar, adicionando informações. Se alguém introduz uma alteração ou novos dados, todas as camadas do modelo são atualizadas em tempo real, diferentemente do que acontece com os modelos 2D do CAD, em que qualquer alteração exigirá a atualização e checagem do modelo inteiro.

No BIM, uma série de objetos inteligentes carregam toda a informação referente a ele. Considere, por exemplo, que o ar condicionado representado no modelo BIM vai conter os dados do fornecedor e informações sobre o funcionamento, a manutenção, o gasto energético etc.

A riqueza de informações contidas no BIM é fundamental para a gestão do projeto. A visualização digital da obra pronta facilita a identificação de futuros problemas e oferece suporte na tomada de decisões, evitando erros e direcionando para acertos.

 

Então, o que achou? Já está familiarizado com o bim ou nunca tinha ouvido falar antes? Quer acrescentar dicas ou comentários para enriquecer nosso post? Esperamos e agradecemos sua participação!

Posts relacionados