2021 começa com novo recorde para a indústria do agronegócio

2021 começa com novo recorde para a indústria do agronegócio

A safra nacional de grãos para 2021, cujos prognósticos já vinham indicando novo recorde, teve mais uma alta de estimativa e deve atingir 262,2 milhões de toneladas, ficando 3,2% acima da produção de 2020 (254,1 milhões de toneladas), que já havia sido a mais alta da história, segundo o IBGE.

A soja e o milho deverão ser os grandes recordistas da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas no país. Já o algodão, que vinha alcançando recordes por três anos seguidos, deve ter redução de 16,5% em relação a 2020.

As informações são do levantamento sistemático da produção agrícola (LSPA), divulgado pelo IBGE.

Impactos da pandemia

De acordo com o gerente da pesquisa, Carlos Barradas, a produção de algodão vinha crescendo para atender a demanda internacional, mas, com a pandemia da COVID-19, as quedas no setor de vestuário refletiram em uma menor procura por esse produto, influenciando na decisão de plantio da próxima safra.

O milho, em relação à última informação (dezembro), teve sua estimativa de produção elevada em 2,0%, totalizando 103,7 milhões de toneladas. Em relação ao ano anterior, a produção deve aumentar em 0,4% e a área a ser colhida em 3,2%. A primeira safra estima participar com 25,3% da produção brasileira de 2020 e, a segunda, com 74,7%.

Chuvas

O estado do Mato Grosso é o maior produtor brasileiro de soja e a falta de chuvas na região não só provocou o atraso no plantio, como até a necessidade de replantio em algumas áreas. Entretanto, mesmo com esta situação, a produção local foi estimada em 34,6 milhões de toneladas, que representa 26,6% do total nacional de soja a ser colhida em 2021.

“Além disso, na região sul, as lavouras do Paraná e Rio Grande do Sul sofreram com a escassez de chuvas até novembro, o que pode resultar em declínio da produtividade. Contudo, a partir de dezembro, houve retorno das chuvas e as informações são de uma boa recuperação das lavouras”, acrescenta Barradas.

Regiões

As regiões sul (13,3%) e nordeste (0,4%) aumentaram suas estimativas de produção, enquanto centro-oeste (-1,1%), sudeste (-0,7%) e a norte (-2,1%) sofreram redução. Ainda assim, os resultados apontam uma mudança no quadro das regiões em vermelho ao longo do ano.

Balanço da produção

Em relação a dezembro, houveram aumentos nas estimativas da produção na segunda safra. Por outro lado, houveram declínios nas estimativas da 1ª safra de alguns produtos. Confira na tabela abaixo:

 

Produção Primeira Safra Segunda Safra
Feijão – 0,8% 21,5%
Batata inglesa – 0,5% 5,4%
Cacau 4,4%
Tomate 2,0%
Arroz 0,2%
Soja 0,4%
Café – 11,1% 0,1%
Milho – 0,6% 2,9%
Tomate 35

 

As informações contidas neste artigo mostram que mesmo com a pandemia, o ano começa com estimativas otimistas tanto para produção de consumíveis, quanto para as indústrias que envolvem o agronegócio direta e indiretamente.

Curtiu esse artigo? Compartilhe em suas redes e deixe nos comentários a sua opinião!

 Mais artigos para você: 

 

Compartilhar este post

Fique por dentro das nossas novidades. Assine nossa newsletter.